Efeitos da quimioterapia na pele: saiba como evitá-los

Um dos tratamentos mais utilizados no combate ao câncer é a quimioterapia, que utiliza medicamentos para destruir as células cancerígenas. 

Normalmente, a quimioterapia é intravenosa (administrada pela veia), de modo que as substâncias sejam espalhadas pelo corpo através da corrente sanguínea. Por consequência disso, alguns efeitos colaterais podem surgir no organismo do paciente, como enjoos ou reações na pele.

Felizmente, as reações da quimioterapia na pele podem ser tratadas e combatidas com alguns cuidados. É sobre isso que falaremos no artigo de hoje. 

Como a quimioterapia age na pele? 

Como já falamos acima, os medicamentos utilizados na quimioterapia são espalhados por todo o organismo. Isso significa que as substâncias afetam tanto as células doentes quanto as saudáveis, como é o caso das células da pele. 

Quando isso acontece, os efeitos da quimioterapia na pele podem ser diversos. No entanto, é preciso ter em mente que nem todas as pessoas sofrem com esses efeitos colaterais, pois tudo depende do organismo do paciente. 

Além disso, os efeitos da quimioterapia na pele não aparecem todos de uma vez. Então, no início, o paciente pode notar efeitos nas unhas e, ao final, esses efeitos podem aparecer nos lábios ou cabelos. 

A seguir, você vai entender quais são as reações mais comuns.

Os efeitos mais comuns da quimioterapia na pele

Ressecamento, vermelhidão e coceira 

A quimioterapia pode atacar a camada mais fina da pele, causando ressecamento, coceira e vermelhidão. Caso o paciente passe a coçar muito a pele, pode até sofrer com feridas. 

Para combater esses problemas, é importante usar um creme hidratante especial para pacientes oncológicos.

Reações alérgicas

Existem feridas que podem aparecer mesmo sem o paciente coçar a pele. Exemplo disso são as manchas escamosas, erupções cutâneas, lesões que não curam e até bolhas de água. 

Esses sintomas devem ser tratados o quanto antes pelo médico que está acompanhando o tratamento. Na maioria dos casos, é recomendado o uso de antibióticos. 

Enfraquecimento das unhas

Quando a quimio afeta as células das unhas, pode causar a mudança de cor delas para um tom escurecido ou amarelado. Outros pacientes podem sofrer com problemas mais sérios, como o enfraquecimento das unhas, que podem se quebrar com muita facilidade.

Para evitar isso, use luvas sempre que for realizar alguma atividade doméstica. Além disso, evite pintar as unhas com esmalte e usar acetona.

Fissura na ponta dos dedos 

A pele das mãos pode ficar muito sensível, de modo que apareçam fissuras nas pontas dos dedos. Esse efeito é muito incômodo, pois dependendo do nível da lesão, as tarefas simples do dia a dia podem ser dolorosas. 

Mais uma vez, nesse caso, a hidratação da pele é essencial para evitar esse problema. É importante também que o paciente use luvas para evitar contato com produtos químicos, que pioram as rachaduras nos dedos. 

Mais sensibilidade ao sol

Como a pele fica mais sensível, o risco de sofrer queimaduras solares é maior. Por isso, o paciente deve sempre usar protetor solar FPS 30 ou 50 pra cima, além de evitar a exposição ao sol.

Na hora de escolher o filtro solar, prefira os indicados para peles sensíveis ou para pacientes oncológicos. Em caso de dúvidas, fale com um dermatologista.

Sensibilidade no couro cabeludo 

As erupções, coceiras e lesões também podem aparecer no couro cabeludo do paciente. Como a pele nessa região é muito delicada, os cuidados devem ser especiais.

Entre as principais recomendações, estão o uso de shampoo sem sal e de toalhas e fronhas de cetim ao invés das de algodão, pois causam menos atrito na pele. Além disso, o paciente também deve evitar banhos muitos quentes e longos, para não irritar a pele.

Outras recomendações indispensáveis:

• Beba bastante água para manter o corpo hidratado;
• Use sabonetes hidratantes no banho, de preferência sem essências fortes;
• Lave bem as mãos após tocar em qualquer utensílio que não seja de uso pessoal;
• Evite usar maquiagens pesadas, que podem irritar a pele;
• Mantenha as unhas curtas e sem esmalte. Quando for fazer as unhas, use objetos descartáveis e não remova as cutículas.

Além disso, não se esqueça de que qualquer alteração que você observar no seu corpo durante o tratamento, deve ser informada imediatamente ao médico. 

Para mais conteúdos como esse, acompanhe o blog e as redes sociais do Instituto Peito Aberto: Instagram e Facebook.

Fontes: We Care Skin 1 e 2

DEIXE A SUA MENSAGEM

Feito com por Green Digital - © 2018